30
Out 11
Vanda, às 09:00link do post | Comment

 

 

 


28
Out 11
Vanda, às 10:00link do post | Comment

 

 

 

I had already tried a pattern of Harumidori designs for M. when she was very little (first

image, almost two months old). I loved to knit it and she gave it a lot of use. It's called

Kanoko pants and it's a free pattern.

This turn I tried the 'Like sleeves' pattern whose instructions are very easy to follow and

it's also very easy and fast to knit. I already have wool to make her another one in a

different colour.


27
Out 11
Vanda, às 10:00link do post | Comment | (5)

 

 

 

Já há algum tempo que queria fazer estes sabonetes com a M.

Finalmente reuni tudo o que precisava e, numa destas tardes, lançámos mãos à obra.

Vi pela primeira vez esta ideia aqui, um dos poucos sites que leio com regularidade,

não sei muito bem porquê mas há mais de dois anos que é assim.

Pesquisei um bocadinho sobre o tema e juntei a esteira de bambú porque me parece

que acelera e facilita bastante o processo de feltragem.

Tudo o que precisam é:

  • sabonetes
  • lã penteada. A lã de cores é da Retrosaria, a branca usei a da Brancal
  • água quente
  • detergente (usei um detergente para lãs)
  • meias de vidro velhas
  • esteira de bambu
  • paciência

Envolvem o sabonete na lã, apertam o conjunto na meia de vidro dando um nó na

extremidade, mergulham na água quente com detergente e friccionam na esteira.

Repetem este processo de forma a promover o entrelaçar das fibras até obter uma

estrutura densa e homogénea. E aqui entra a paciência, acho que são cerca de 10 a

15 minutos, mas o resultado compensa. No fim passa-se o sabão por água fria e

tira-se o excesso de espuma.

No nosso caso acho que usámos lã a mais o que torna os sabonetes pouco práticos

quando lavamos as mãos, porque demora um bocadinho a produzir espuma,

mas para a próxima vamos tentar acertar. 

Foi uma tarde muito bem passada a brincar e a aprender. A M. revelou bastante mais

entusiasmo e paciência do que eu e acho que está desejosa de repetir. Tudo o que

envolve 'sujar' as mãos e ainda por cima com água e sabão extra é divertido à partida.

Suspeito que iremos fazer mais para presentes de Natal. 

  

I intended to try to make these soaps for quite sometime. I found the idea here, a site

that I visit regularly, I don't know exactly why but it's been like that for the past two

years.

I blogged a bit about the subject on the internet and I added the bambu mat which I

found really helpful in accelerating the felting process.

What you will need:

  • soap
  • wool roving. The colored ones are from Retrosaria and the white from Brancal
  • hot water
  • liquid soap
  • old tights
  • bambu mat
  • patience

All you have to do is wrap the soap with the wool, put it inside the sock, tie a knot on

both ends and start wetting and rubbing on the bamboo mat, and keep rubbing and rinsing

in between until the wool starts to felt and you obtain a tight structure. I think it takes

about 10 to 15m and that's why you need to have some patience. In the end you rinse in

cold water to remove the excess of soap.

It was a great afternoon playing and learning with M. Everything that involves making a

mess is synonymous of fun, and she demonstrated much more enthusiasm and patience

than me. I suspect that we will soon be doing some more as Christmas presents.

 

The result. You can easily guess who made which.

 


25
Out 11
Vanda, às 09:00link do post | Comment

 

 
 

 

Aproveitámos uma ida a casa do Avós para apanhar algumas folhas no jardim.

E com elas, no dia seguinte, passámos umas horas à tarde a pintar.
Está aqui o resultado.
We picked some leafs on one of the last visits to M's grandparents. With them,
in the next day, we spent some time painting. Here's the result

24
Out 11
Ana, às 21:00link do post | Comment | (2)

 

Este ano o Natal é dos mais novos. Quer dizer, as prendas claro. Porque o

jantarinho é para todos! E desse momento nós podemos retirar todo o prazer

de estarmos juntos.

Prendas de crescidos só se forem feitas pelos próprios, seja lavor ou comida o

gostinho é outro, garanto-vos!

Ainda assim resolvi a partir de hoje sugerir as 10 lojas/sites onde podem

comprar para miúdos e graúdos uma prenda única sem cair na teia da grande

indústria-tudo igual-distribuído massivamente.

 

Começo pelos livros e recomendo-vos a Pó dos Livros.

Comecem por desfolhar o blog e percebem o amor que o Jaime Bulhosa tem

aos livros, a sabedoria com que os recomenda e a beleza com que os descreve.

Depois façam uma visita à loja e sintam o calor de uma verdadeira livraria de

autor. Se gostam de livros, vão gostar de lá estar.

E já agora espreitem aqui http://livrariapodoslivros.blogspot.com/2008/01/origem-da-p-dos-livros.html

para conhecerem a equipa e os serviços. Muito Jolie!


23
Out 11
Vanda, às 09:00link do post | Comment

 

 

 

100 idées, Nº71 - Setembro 1979
Herdei-as da minha Mãe e já virei e revirei as folhas destas revistas vezes sem conta.

Mas há sempre um pretexto para as folhear mais uma vez. 

Agora ando à procura de anúncios da Lego. 

 

I inherited these magazines from my Mother but I never seem to get enough of them.

There's always a new excuse to explore and read them again.

Now I've been looking for Lego adds.


21
Out 11
Vanda, às 19:00link do post | Comment | (1)
Encontrei aqui.    Found here.

19
Out 11
Ana, às 21:06link do post | Comment

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os Açores são a nossa descoberta deste ano. Dos 5, ao mesmo tempo.

Partimos rumo ao Pico onde ficámos durante os 9 dias, passámos um dia em

S. Jorge e fizemos duas passagens breves pelo Faial.

Alugámos esta casa e ficámos lá muito bem, como em nossa casa, mas nos Açores.

Fica na Calheta do Nesquim, que é o nome do cão que naquele mesmo sítio resolveu

ir ladrar para a costa para orientar os pescadores perdidos no mar e assim salvando-os.

 

A natureza é tão presente que se confunde com alguém que se trata com o maior

respeito. O mar, as rochas, as plantas, os animais, tudo nos encheu a alma.

E depois as histórias das pessoas, que obviamente se confundem com a história da ilha.

 

Ficou urgente voltar. Voltarei com certeza em posts.

 

 

 


Vanda, às 09:40link do post | Comment

 

Em Setembro visitámos a amiga para quem fiz o xaile em Julho.

Em Genève havia Castanheiros da Índia por todo o lado, carregadinhos de castanhas

fresquinhas. Não resisti e enchi um saco, pequeno, que veio na minha bagagem e vai

ser objecto de presente de Natal para amigos e família.

 

In September we visited the friend for whom I made the shawl in July. In Geneva

there were Horse-chestnuts everywhere, full of nuts. I couldn't resist and brought

home, along with my luggage, a small bag full of them. They will be part of some

of my Christmas gifts for family and friends.

 

Lago Léman, Setembro, 2011, fotografia da Helena.
Lago Léman, Fevereiro, 1973, no arquivo de diapositivos do meu Pai.
Lake Léman, September, 2011, Helena's photo. 
Lake Léman, February, 1973, in my Father's slide archives.

18
Out 11
Vanda, às 09:00link do post | Comment | (5)
Recomeçar com a perspectiva de mais uma amiga a partir para procurar trabalho noutras paragens, fez-me mergulhar em sessões relâmpago de aulas de costura para aproveitar os seus últimos dias por cá.
É para ela esta música. Temos muitas saudades.

 

 

Das sessões de costura ficam estas imagens com alguns dos projectos ainda inacabados. Tão cedo não vou ter a ajuda destas mãos e sem elas não tinha conseguido fazer nada disto. E ela nem fala japonês.
Os livros, um dela, outro meu, são da Retrosaria tal como o tecido para a saia da segunda imagem.

 

As meias que comecei para lhe oferecer também parecem não ter fim. A lã é do sítio do costume.
A pena de Pavão veio daqui.

16
Out 11
Vanda, às 09:00link do post | Comment

Ainda fazem parte deste conjunto  

They're still a part of this first set. 


15
Out 11
Vanda, às 20:28link do post | Comment | (1)

Não foram 3 meses de férias, foram 3 semanas muito bem passadas no Sul.

A pé ou de barco, entre a Ria Formosa e Lagos chegámos à praia quase todos os dias.

 

  

 

Houve tempo para construções na areia. Estes são só alguns exemplos.

 

 


Para brincar\pintar com a M. A ideia tirei daqui.

 

  

 

Para fazer roupas para o 'bébé' Chico, com a Carla e pelas suas mãos.

  

 

 

Lavar e secar ao sol as lãs compradas na Retrosaria e que ainda não têm

destino bem definido.

 

  

 

Fazer um xaile para a amiga ficar quentinha e lembrar-se de nós enquanto está longe

de casa. Ficou pronto mas sem uma fotografia decente. A lã é outra vez da

Retrosaria. O modelo e o ponto foi a D.Teresa que me ensinou.

 

  

 

E ainda para alimentar mais um vício, apanhar conchas só com um furinho.
Há sempre mais uma...
Estamos de volta! 

Archive
2016

2015

2014

2013

2012

2011

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
 bau bau